GRUPO SUTIL ATO (12 ANOS) CIRCULA POR ESPAÇOS CULTURAIS DO DF COM PROJETO INÉDITO

Com a realização do Instituto Rosa dos Ventos e fomento da Secretaria de Cultura do Distrito Federal, projeto do Grupo Sutil Ato circula por Espaços Culturais de resistência no DF.



Autópsia. Foto: Diego Bresani
Expansão Comunidade Teatral DF do Grupo Sutil Ato. Projeto multiplicador de práticas teatrais por meio de sessões de espetáculo, palestra, oficina e bate-papo, gratuitos, com artistas, estudantes e público interessado.

Idealizado pelo coletivo teatral Grupo Sutil Ato em parceria com a produtora Rosa dos Ventos, o projeto Expansão Comunidade Teatral promove, nos meses de dezembro/2018 e janeiro/2019, momentos de troca artística com grupos de teatro, arte educadores, estudantes de teatro e comunidades locais em dois Espaços Culturais alternativos do DF: o Galpão Instrumento de Ver, na Vila-Planalto; e o Espaço Semente, no Gama.

As atividades propostas têm como fonte temas trazidos nos Atos III e IV do espetáculo AUTÓPSIA - A Continuação, que investigam a precariedade de moradores de rua, recicladores de aterros sanitários, do sistema prisional e traçam um olhar reflexivo sobre as desigualdades sociais. Dentro do Expansão Comunidade Teatral “o espetáculo será desconstruído até ficar sem as camadas da linguagem cênica, restando o cotidiano cru, onde a nossa cidadania e humanidade poderão ser discutidas”, conta Jonathan Andrade, diretor e dramaturgo do Sutil Ato.

Os encontros ganham potência com a presença de convidadas diretamente envolvidas com as problemáticas debatidas nas encenações, a exemplo de Raquel Lopes, recicladora com experiência de 10 anos no aterro da Estrutural, e da ex-moradora de rua Iara dos Anjos Santana, que hoje exerce a função como coordenadora no Instituto Ipês. Profissionais das áreas da psicologia, sociologia e antropologia também participam dos debatedores, ao lado da equipe de criação do Sutil Ato.

O Grupo Sutil Ato, coletivo que há 12 anos ganha destaque no cenário cultural do DF, assina a autoria de AUTÓPSIA - espetáculo premiado com passagens pelos CCBB’s de Brasília e Belo Horizonte, Festival Internacional Cena Contemporânea, Teatros SESC e Prêmio SESC do Teatro Candango. A montagem é fruto de sete anos de pesquisa.

Em cada Espaço Cultural haverá uma sessão de cada um dos Atos (III e IV). Os Atos de Autópsia (a continuação) são independentes, “possuem histórias e encenações completamente diferentes”, informa Jonathan. Esta é a primeira edição do Expansão Comunidade Teatral DF e a ideia “é expandir o projeto levando outros espetáculos do nosso repertório a outros espaços culturais e alternativos do DF”, conta o diretor, que revela “morro de vontade de chegar até às comunidades rurais, tão esquecidas enquanto arte”.

As atividades:

Palestra “A Reciclagem do Olhar" conduzida pela recicladora Raquel Lopes, com 10 anos de experiência de trabalho aterro de lixo da Estrutural, o maior da América Latina. Raquel, integrante da equipe de criação do Ato IV como figurinista e consultora dramatúrgica, irá debater temas urgentes como a consciência cidadã nas políticas de sustentabilidade e a valorização do trabalho dos recicladores, bem como as estratégias da utilização de reutilização e reciclagem de resíduos na criação estética das artes. Os assuntos discutidos têm como fonte inicial a pesquisa cênica do IV Ato, iniciada em 2016, e serão em conjunto com a equipe criativa do Sutil Ato.

Aberto ao público em geral. (Duração 1h30).

Oficina “A Biópsia da Cena”, uma experimentação vivencial e coletiva de desmontagem do espetáculo, na qual serão desnudadas as camadas do processo de criação das cenas e percursos usados na composição dramatúrgica, de atuação, direção e encenação. Voltada principalmente a estudantes de artes cênicas e grupos de teatro. A oficina prevê estrutura de aula-espetáculo com exposição de cenas, debates e exercícios práticos. (Duração 3hs)

Encontro “Autópsia de Outros Olhares”, debate com as presenças de psicólogo, sociólogo e antropólogo juntamente com a equipe criadora do Sutil Ato com foco na reflexão acerca da realidade brasileira tendo como base questões abordadas no espetáculo Autópsia. O encontro contará com a presença da ex-moradora de rua Iara dos Anjos Santana, hoje educadora social e técnica em reabilitação de dependentes químicos, e que exerce a função de coordenadora de equipe especializada em abordagem social no Instituto Ipês. Iara integra a equipe de criação do Ato III como consultora de dramaturgia. (Duração 1h30).

Programação:

07/12/2018, das 19h às 22h: Oficina “A Biópsia da Cena”, no Galpão do Instrumento de Ver da Vila Planalto
08/12/2018, das 19h às 22h: Oficina “A Biópsia da Cena”, no Espaço Semente do Gama
19/01/2019, às 19h: Apresentação Autópsia - Ato III, no Espaço Semente do Gama
19/01/2019, às 20h30: Encontro “Autópsia de Outros Olhares”, no Espaço Semente do Gama
20/01/2019, às 19h: Apresentação Autópsia - Ato IV, no Espaço Semente do Gama
20/01/2019, às 20h15: Palestra “A Reciclagem do Olhar”, no Espaço Semente do Gama

Apresentação Autópsia - Ato III, no Galpão do Instrumento de Ver da Vila Planalto

26/01/2019, às 20h30: Encontro “Autópsia de Outros Olhares”, no Galpão do Instrumento de Ver da Vila Planalto
27/01/2019, às 19h: Apresentação Autópsia - Ato IV, no Galpão do Instrumento de Ver da Vila Planalto
27/01/2019, às 20h15: Palestra “A Reciclagem do Olhar”, no Galpão do Instrumento de Ver da Vila Planalto

Classificação indicativa (das atividades e das sessões): Não recomendado para menores de 18 anos.
Todas as sessões contarão com a presença de intérprete em Libras.
As sessões e atividades do projeto têm entrada franca.

Poste um Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem