quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

PERCUSSIONISTAS DE SEIS PAÍSES ESTÃO INSCRITOS NO FESTIVAL INTERNACIONAL DE TAMBORES NO DF

O ADARRUM oferecerá um verdadeiro intercâmbio cultural entre percussionistas brasileiros e de outros países. O evento contará com os grandes mestres de percussão para ministrar workshops.


Festival ADARRUM - Fotógrafo Luciano Freire
A segunda edição do Festival Internacional de Tambores - ADARRUM chega em fevereiro com novidades para o público brasiliense. O evento é realizado pelo Grupo Batukenjé, criado pelo músico e agente cultural Célio Zidório, conhecido como Mestre Célin du Batuk, com a proposta de ensinar percussão de ritmos brasileiros. O evento já possui a inscrição de percussionistas da França, da Alemanha, da Espanha, do Chile, da Argentina e de Marrocos, além de profissionais brasileiros. Os interessados poderão se inscrever, de forma gratuita, no próprio site do evento (http://adarrum.com.br).

“O público vai ficar bem servido com os ótimos mestres de percussão afro brasileira”, antecipa Célio, coordenador geral de produção do ADARRUM. Sendo considerado um dos maiores eventos internacionais de tambores, o festival chega com intuito de mostrar a importância do tambor em solo nacional. “O festival exerce uma grande força acerca da bandeira da resistência afro-brasileira, pois valoriza a nossa cultura”, acrescenta Zidório.

A escolha dos mestres foi feita de forma cuidadosa, isto é, todos os participantes estão na rota do tambor na Europa e, com isso, possuem muitas experiências para serem passadas durante o evento. A cultura afro-brasileira faz parte da identidade do país e, com este projeto, a arte, o ritmo e a história estarão presentes para serem exploradas pela população nacional e internacional.  

O festival terá três dias de programações exclusivas. O primeiro dia, 22, será marcado pela abertura do evento, a partir das 20h. Os demais dias, 23 e 24, trarão workshops, shows e rodas de conversa.

Festival ADARRUM - Fotógrafo Luciano Freire
Mestres dos workshops - O Mestre Cacau Arcoverde, coordenador de Oficinas de Ritmos Brasileiros em universidades e espaços culturais em todo o Brasil, na Europa e nos Estados Unidos, ministrará o workshop lôas populares, oficina de samba de coco & ciranda. O trabalho mostrará os ritmos populares através do batuque.

Além disso, o ADARRUM disponibilizará uma oficina realizada pelo Mestre Célin du Batuk, produtor de obras musicais com releitura de sonoridades e de ritmos afro-brasileiros, com proposta de oferecer ao público a releitura de ritmos tradicionais brasileiros e do encontro do mundo contemporâneo com o tradicional.

O Mestre Jackson, um dos fundadores do Olodum e cocriador do samba reggae, também estará presente para apresentar o samba reggae. "O papel do ritmo afro baiano na música brasileira é brilhante e fundamental", pontua Ana Paula Caio, diretora artística do Festival Internacional de Tambores.

A programação ainda contemplará com a presença do Mestre Jair Rezende, criador do grupo Lactomia, para assumir o workshop voltado ao candeal e suas riquezas. Através desse curso, o público poderá trabalhar a educação musical em percussão.

Fechando com chave de ouro, o ADARRUM irá trazer o Mestre Paulo Garcia, produtor cultural, diretor musical e percussionista, para apresentar as levadas tradicionais do samba-reggae além de falar um pouco de cada instrumento.

SERVIÇO:
FESTIVAL ADARRUM 
O que: Festival Internacional de Tambores - ADARRUM
Quando: 22, 23 e 24 de fevereiro de 2019
Onde: Estacionamento 12 do Parque da Cidade, em frente ao Ana Lydia
Inscrições: http://adarrum.com.br

Sobre o ADARRUMADARRUM é uma palavra do idioma Iorubá que quer dizer, nos candomblés, um toque de atabaques e agogô, em ritmo rápido, contínuo e uníssono, que tem o poder de invocar os orixás, um chamado. A fim de trazer elementos africanos, boas energias e muitos participantes, nomeamos nosso Festival ADARRUM.

Postar um comentário

O botão Whatsapp funciona somente em dispositivos móveis