Estresse: psicóloga lista 5 dicas para aliviar o problema no ambiente de trabalho

Desde exercícios físicos a meditação, confira como não sucumbir com o mal que afeta mais de 72% dos profissionais brasileiros.


Divulgação - Andréa Chaves

Segundo levantamento feito pela International Stress Management Association (ISMA) em 2019, o Brasil é o segundo país com maior prevalência de alto estresse no ambiente de trabalho, chegando a 72% dos profissionais impactados, perdendo apenas para o Japão. O diagnóstico prevalente é a Síndrome de burnout - que será incluída na próxima revisão da Classificação Internacional de Doenças, segundo anúncio feito pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2019.

A nova versão da CID começa a valer em 2022. Segundo outra pesquisa da International Stress Management Association no Brasil, 72% dos brasileiros que estão no mercado de trabalho sofrem alguma sequela ocasionada pelo estresse. Desse total, 32% sofrem de burnout. E 92% das pessoas com a síndrome continuariam trabalhando.

Segundo a psicóloga Andréa Chaves, especialista em saúde mental, a alta competitividade, grande volume de trabalho, ameaça de desemprego, tarefas repetitivas e pouco gratificantes, cobranças excessivas, perfeccionismo, mau relacionamento com colegas de trabalho, transferências e outras demandas voltadas ao relacionamento entre a empresa, o empregado e seus pares são as principais razões de estresse no trabalho. 

Segundo a especialista, o estresse pode estar presentes em transtornos como estresse pós traumático, Burnout e transtorno de estresse agudo (TEA) e alguns sintomas podem assemelhar a depressão e não possui uma faixa etária específica. “A doença não é restrita a uma faixa etária. Mas quando falamos de doenças relacionada ao trabalho, pode-se inferir a faixa etária de 18 a 40 anos, como faixa de risco”, explica.

Profissões que mais sofrem com o estresse no trabalho


Anuários de saúde do Ministério do trabalho relatam que os profissionais de TI, Médico, Engenheiro, Operador de Telemarketing, Professor, Gerente financeiro, Coordenador de Recursos Humanos, Gerente de Operações, Operário, Líder Religioso, são profissionais que sofrem de muito estresse. “E um dado alarmante é que profissionais de urgência e emergência como Samu, Bombeiros e Polícia sofrem cinco vezes mais chances de ter um transtorno psicológico do que a população em geral. Se a síndrome de esgotamento no trabalho pode ser caracterizada pelo alto nível de estresse e sensações negativas como de exaustão, incapacidade, ceticismo, insuficiência e ineficácia, podemos fazer um paralelo muito rápido destes sintomas nos profissionais de urgência e emergência, que durante todo o plantão lidam com situações extremas.”, esclarece Andréa Chaves.

Confira 5 dicas para aliviar o estresse no trabalho:



  • A primeira questão que devemos entender é quem somos e nossos limites, digo muito para meus pacientes que entre eu e o outro tem um braço de distância eu permito que o outro se aproxime de mim, mais sem me desproteger.



  • Faça exercícios físicos, eles são fundamentais para a produção de muitos neurotransmissores, melhoram as funções cognitivas, a plasticidade sináptica e a neurogênese. Além de melhorar funções como memória e concentração.



  • Alimentação equilibrada é um investimento a longo prazo para sua saúde emocional e física. Existem alimentos que inflamam o cérebro e outros que auxiliam no controle.



  • Meditação: reserve um tempo para se conectar com você com seus pensamentos, seus sentimentos.



  • Organização: tenha hábitos de agenda, momentos de lazer e trabalho separados, tempo de qualidade com a família. A ordem alinha nossas emoções e ajuda a tomada de decisões mais conscientes.

Comentários

Formulário de contato

Enviar