Combatendo o mal do século: uma forma alternativa de enfrentar a depressão

A atividade física como parte do tratamento de distúrbios psiquiátricos.


Atividade física ajuda a combater a depressão - Shutterstock

As discussões acerca da depressão têm se tornando cada vez mais evidentes ao longo dos anos. Quando o assunto está em pauta, o debate sempre carrega um cunho de humanização, em busca de mostrar que o distúrbio não se trata de fatores como a falta de religiosidade, mas sim de uma soma de motivos biológicos, psicológicos e sociais. Estima-se que a depressão é o mal do século, sendo a doença mais incapacitante do mundo, com cerca de 322 milhões de indivíduos diagnosticados ao redor do globo.

Diariamente incontáveis pessoas pelo mundo acordam e precisam encontrar forças para lutar contra a doença. Alguns tentam se reerguer sozinhos, outros recorrem à terapia, outros à medicamentos controlados e, a maioria, à um protocolo de tratamento recomendado por um psiquiatra que, em boa parte das vezes, reúne um pouco de tudo.

Rafaella Barreto, 26 anos, faz parte desse grupo de pessoas que atravessam essa missão. Ela batalha contra a depressão, desde 2016, ou seja, há quatro anos. No início, como é natural quando começam a surgir os sintomas, Rafaella não procurou logo um tratamento. Com o passar do tempo, os sinais se atenuaram e, em 2017, a jovem decidiu iniciar um acompanhamento médico.

“Na verdade, eu busquei tratamentojustamente porque estava comendo compulsivamente pra ‘preencher’ algum vazio dentro de mim. Acabei ganhando 8kg na época. Era horrível! Para alguém que gosta de ter tudo sob controle como eu, não parecia ter mais o que fazer para a compulsão e a tristeza diminuírem”, relata a bancária.

A descoberta de um novo mundo


Em 2019 Rafaella finalmente encontrou uma alternativa que a libertou de todos os sintomas que a deixavam cabisbaixa. Ao contrário do que muitos podem pensar, esse artifício não é nada mirabolante, muito pelo contrário, é algo que está extremamente difundido entre a população: a atividade física.

Pode parecer clichê, falar sobre os benefícios do exercício físico para a saúde do corpo e da mente, mas se torna inevitável em tempos com cerca de dois milhões de casos de depressão, por ano, no Brasil. A pátria amada surge nos dados da Organização Mundial da Saúde como o país mais depressivo e ansioso da América Latina.

A jovem bancária, como parte dessa estatística, decidiu procurar uma academia para se libertar das angústias causadas pela doença, mas engana-se quem pensa que foi fácil. Nada é fácil na jornada pela cura da depressão. “Li muito sobre o assunto e vi que exercícios físicos tinham uma relação direta com bem-estar e saúde. Lembro que no início eu ia, entrava na academia, passava pela porta e pela recepção, mas não conseguia ficar, tudo era muito difícil. Eu simplesmente ia embora”, revela Rafaella.

Até conseguir se manter firme nas atividades físicas, teve que percorrer um longo caminho de persistência e terapia. “Com muito esforço, comecei a tomar muito gosto pela coisa. Perdi todo meu peso extra e fiquei viciada mesmo!”, exclama.

“A sensação de bem-estar que a musculação me proporciona remédio nenhum faz. Eu saio de lá todos os dias com outra energia. Por isso, gosto de ir de manhã, pra que a sensação dure o dia inteiro. É incrível”, acrescenta. Agora a bancária malha com a ajuda de um personal, o Anderson Dornelas da Bodytech, “é realmente um diferencial. Ter alguém que, mesmo nos seus dias ruins, te motive, te faça ir, te lembre do quanto aquilo te faz bem está sendo muito importante”, completa Rafaella.

Para Anderson, é inegável a relação entre exercitar-se e saúde mental. O personal trainer e coordenador Acqua da BT Lago Sul explica que o músculo é um órgão endócrino e o estímulo, seja por contrações dinâmicas ou isométricas, fará a sinalização para o aumento da produção e secreção de hormônios como Melatonina, que está relacionado à qualidade do sono, Endorfina, Dopamina, Serotonina, Ocitocina, vulgarmente conhecidos como “hormônios da felicidade”.

Sendo assim, ao movimentar o corpo, as substâncias químicas produzidas agem no cérebro gerando sensação de felicidade e bem-estar. “Temos bastante embasamento científico que comprova que o exercício físico é um forte aliado no tratamento dos problemas psicobiológicos, até por conta do aumento exponencial desses problemas. O Exercício Físico é tratado por vários autores como uma intervenção não-medicamentosa para o tratamento desses distúrbios”, comenta Anderson.

Acompanhamento psiquiátrico


Mesmo com os comprovados benefícios que se exercitar proporciona ao corpo e à mente, o acompanhamento de um psiquiatra e psicólogo se faz indispensável. O Dr. Gabriel de Oliveira, médico que acompanha a Rafaella, alerta sobre a necessidade dessa assistência, “tanto a depressão quanto a ansiedade são diagnosticamos clinicamente por profissional da área de saúde mental com formação em psicopatologia. Portanto, assim que notar qualquer sinal da doença é indispensável procurar um profissional para diagnosticar e recomendar o tratamento correto”.

Segundo o psiquiatra, a depressão hoje é uma pandemia. Nesse quesito, a atividade física funciona também como método preventivo. Pesquisadores da University College London descobriram que jovens de 12 a 16 anos que têm níveis altos de sedentarismo apresentaram um aumento de 8 a 11% nos riscos de ter depressão aos 18 anos ou mais.

“Existem inúmeros estudos na literatura científica que mostram de forma clara e robusta que indivíduos com diagnóstico de depressão e ansiedade, em tratamento psiquiátrico, melhoram mais rapidamente quando aderem a exercícios físicos tanto aeróbicos quanto anaeróbicos. Além disso, verificam-se ganhos mais acentuados e estáveis nos níveis de ânimo, disposição e energia”, acrescenta Dr. Gabriel.

A regra também serve para quem já apresentou quadros de algum distúrbio psiquiátrico. “As pessoas que tiveram episódios passados de depressão e que seguem com atividade física regular têm menores riscos de recidivas e, quando as tem, são mais leves e fáceis de tratar”, aponta o psiquiatra.

Dica


Colocando uma pessoa com propriedade para falar, Rafaella pontua algumas dicas para quem sofre do mesmo problema. “Procure fazer um esporte que você goste! Eu me encontrei na musculação. Mas se não é a sua, se já tentou e não gostou, não conseguiu manter a consistência, tente outras atividades. Tem inúmeras por aí!”, indica a jovem.

O importante, nessa busca pela estabilidade emocional, é sempre procurar algo que a pessoa gosta de fazer. “Ache algo que você consiga manter a frequência, que tenha prazer, e não por obrigação. Tenho certeza que fará muito bem para sua saúde mental e física”, conclui Rafaella.

Anderson Dornelas também compartilha do mesmo pensamento. “Escolher alguma(s) atividades que o aluno se identifique, vai fazer toda diferença na criação de um hábito de se movimentar”, afirma o profissional. “O ideal é mesclar atividades cardiovasculares, como corrida, pedal, seja indoor ou outdoor, com exercícios de força, como a musculação, exercício integrado, etc”, finaliza o personal da Bodytech.

Comentários

Formulário de contato

Enviar