Aumento no valor do gás domiciliar pesa no bolso do consumidor

 

Gás-de-cozinha


O ano de 2020 foi marcado por sucessivos aumentos no preço do gás. Em 1º de janeiro deste ano, o produto vendido no Rio Grande do Sul de forma canalizada conta com uma nova tabela, que trouxe preços mais amargos. A Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás), que comercializa e distribui o produto, reajustou em 7,7% o preço do gás natural domiciliar e o comercial em 9,37%.

A Sulgás diz que o último reajuste foi realizado em outubro de 2019 e que o atual aumento “visa somente realinhar as tarifas de acordo com o aumento do custo do gás nesse período, que também é diretamente impactado pela variação do dólar”.



Em Santa Catarina, neste mês, a Agência Reguladora de Serviços Públicos do estado (Aresc) também aumentou em 13,43% o preço do gás natural de domicílio; e em 16,6% do gás a consumidores comerciais.

Em 3 dezembro do ano passado, a Petrobras aumentou em 5% o preço médio do GLP, também conhecido como gás de cozinha. O acréscimo é válido para revendedoras. O reajuste fez com que valor médio do botijão de gás de 13kg comercializado pela estatal às revendedoras passasse para R$ 33,89. Ao longo de 2020, houve variação média de 21,9% no preço do produto, o que corresponde a R$ 6,08 por botijão de gás.
Consumidor

O impacto desse reajuste foi sentido no restaurante do empresário e chefe de cozinha Marcello Lopes, de Brasília. Para 2021, para compensar esse aumento, ele pretende investir em equipamentos elétricos e em energia renovável. “Comecei janeiro de 2020 pagando R$ 258 com gás de cozinha e, hoje, estou pagando R$ 335. Ou seja, foi um aumento absurdo”, afirma.

Segundo a Agência Nacional de Petróleo (ANP), em Brasília, o botijão de gás varia entre R$ 69,99 e R$ 93. Em Rio Branco, capital do Acre, o preço varia entre R$ 90 e R$ 98.

César Bergo, presidente do Conselho Regional de Economia do Distrito Federal (Corecon-DF), diz que o valor do gás de cozinha varia em todo o País conforme a oferta e a demanda do produto em cada estado. De acordo com ele, o aumento no valor do gás de cozinha ao longo do ano passado pode ser explicado pela variação do preço do petróleo, um dos componentes dessa mercadoria. Além disso, ele cita a falta de competitividade no setor.

“O preço sobe também pelo fato da Petrobras ser praticamente um monopólio do gás de cozinha. Dessa forma, o mercado fica sujeito às tratativas da Petrobras de compra e importação do produto”, explica.

Carinne Souza, dona de uma lanchonete no Guará, região administrativa do Distrito Federal, conta que precisou repassar aos seus clientes o aumento do gás de cozinha.

“Para compensar isso, precisamos economizar, por exemplo, no gasto com luz, com água e reduzindo a compra de alimentos. E, infelizmente, nós tivemos que repassar esse prejuízo para os clientes, aumentando os valores dos itens que vendemos.”

Covid-19: Municípios enfrentam dificuldade para cumprir limite de gastos com pessoal
Ipea projeta 4,3% de queda no PIB em 2020

Nordeste

Em Campina Grande (PB), segundo pesquisa feita em dezembro pelo Procon do município, o preço médio do botijão de gás foi de R$ 75,88 à vista. No mesmo mês de 2019, o preço médio encontrado à vista foi de R$ 69.

De acordo com a Petrobras, o valor dado pela empresa ao comercializar o GLP para as distribuidoras pode ser representado pela soma de duas parcelas: uma referente ao produto vendido pela empresa e outra parcela de tributos, que são cobrados pelos estados e pela União. No preço do botijão pago pelos consumidores nos pontos de revenda também estão incluídos os custos e as margens de comercialização das distribuidoras e dos pontos de revenda.


Fonte: Brasil 61

Poste um Comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem