COMO CUIDAR DO EMOCIONAL INFANTIL DURANTE AS FÉRIAS EM ISOLAMENTO?

O ano letivo de 2020 se estendeu até 2021, mas finalmente encerrou. As tão sonhadas e desejadas férias chegaram, porém, continuamos em isolamento e com uma ameaça eminente de segundo pico da pandemia.


Perda do convívio social escolar, luto por parentes e amigos, fizeram parte de uma nova rotina imposta pelo novo corona vírus, e nesse furacão muitos tem lutado para manter a harmonia familiar. É notório que assim como os adultos, as crianças também estão com o emocional totalmente abalado, a diferença é que estamos mais preparados pra lidar com esse turbilhão de emoções que elas. “Não tem jeito. Independentemente da idade, o confinamento vai impactar de alguma forma a vida de todas as crianças”, afirma Guilherme Polanczyk, professor de psiquiatria da infância e adolescência da Faculdade de Medicina da USP.


Cuidar do emocional das crianças é fundamental / Foto: Freepik


Muitos estudos são feitos nesse sentido. O Núcleo Ciência Pela Infância (NCPI) realizou uma pesquisa sobre as principais alterações de comportamento infantil durante a pandemia, e destaca uma exorbitante dependência dos pais, distração e a preocupação excessiva com a situação atual. A comissão científica ressalta que,Além da natural angústia provocada por uma doença misteriosa e avassaladora, as medidas de distanciamento social adotadas para diminuir o número de mortes trazem uma série de desafios para a primeira infância”. Outras alterações apontadas são falta de apetite, distúrbios do sono, pesadelos e agitação. Obviamente essas situações variam com a realidade em que a criança está inserida, como a idade, as características da menina ou do menino, o contexto familiar e social e, principalmente, o jeito com que os adultos ao redor lidam com a situação. Ainda de acordo com a NCPI, “Estabelecer horários e manter rotinas no ambiente doméstico dão segurança à criança”.


No início de 2020, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), atualizou suas recomendações em relação a saúde mental de crianças e adolescentes, reiterando a importância da exposição moderada a tecnologia, e sempre sob supervisão de adultos. “Precisamos levar em conta as limitações das telas, o desgaste que elas provocam e toda a adaptação que o ensino remoto impõe a escolas e famílias. Mas devemos nos preparar também para eventuais prejuízos com esse processo e pensar em soluções para amenizá-los”, defende Daniel Zandoná Santos, psiquiatra da infância e adolescência da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, em São Paulo.


Diante disso, o que fazer afim de amenizar as dores e possíveis traumas que podem impactar de forma negativa, os nossos pequenos? Como distrair as crianças e sair da rotina?


A principal indicação é que as crianças passem um tempo de qualidade maior em família. Para o coordenador do Departamento de Desenvolvimento e Comportamento da SGP (Sociedade Goiana de Pediatria), Fábio Pessoa, “quando a criança percebe a participação dos pais ela se sente mais amparada, o que estimula a secreção dos hormônios que proporcionam bem-estar”. Sendo assim, trouxemos para vocês 5 sugestões simples e divertidas para tornar essas férias positivamente inesquecível para pais e filhos.


·         Desenho e Pintura: Forrar as paredes com papel pardo é uma boa opção para a confecção de obras de arte em família. E que tal confeccionar as próprias tintas? Seria uma aventura genial, até os bebês podem participar com tintas comestíveis feitas de legumes por exemplo, a beterraba faz um vermelho lindíssimo!

·         Brincar de Massinha: Podemos esbanjar na criatividade brincando de massinhas, e fazer massinha também é uma experiencia gastronômica e artística incrível.

·         Plantar uma arvore ou qualquer outra plantinha: A gente também pode se divertir salvando o meio ambiente, e se não tiver muito espaço, não se preocupe, plantar em casquinha de ovo é bem legal e você ainda pode decorar. Uau!!!

·         Acampamento em Casa: Quem nunca fez cabaninha levanta a mão, se você levantou, ainda há tempo, pode ser uma experiência fantástica.

·         Desfile de Modas: “Luz na Passarela que lá vem ela” ou ele! Os adultos podem ser os jurados e depois inverte. É uma ótima oportunidade de enaltecer os valores e beleza da criança. Sinto que um show de auto estima está a caminho, hein?!


Outra importante ferramenta para a construção de elo entre pais e filhos, que deve ser usada nesse momento, é a Contação de Histórias, pois além de incentivar a criatividade infantil, aborda de maneira lúdica princípios e valores, auxilia na construção da identidade, estimula a educação socioemocional, entre outros, mas sobre ela, falaremos na semana que vem.


Roberta Oliveira

Escritora Infantil, Educadora Socioemocional, Coaching Kids, Contadora de Histórias, Animadora Infantil

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem