COMO LIDAR COM OPINIÕES DIFERENTES

Estamos vivendo em um tempo no qual opinar e posicionar-se sobre qualquer assunto, em especial os mais polêmicos como política por exemplo, tornou-se temerário. Há uma espécie de régua moral que tem feito com que conversas construtivas sejam cada vez mais raras e difíceis. Opiniões divergentes levam logo a polarizações e/ou cancelamentos (um tipo de punição muito temida nas redes sociais, onde curtidas e número de seguidores se tornaram métricas de sucesso pessoal e profissional). 

Opiniões divergentes, como escultar? / Imagem: Freepik

Saber posicionar-se de maneira adequada em diferentes ambientes e com diferentes tipos de pessoas, é o que podemos chamar de Habilidade Social. Desenvolver essa habilidade em nosso repertório comportamental  favorece o relacionamento saudável e produtivo com as demais pessoas. É inegável que a qualidade das nossas relações cotidianas, nos mais diferentes contextos de nossas vidas, seja no mundo presencial ou virtual, está diretamente ligada a quão habilidosos somos socialmente. 


No contexto profissional, por exemplo, ser socialmente hábil pode favorecer na mediação de conflitos, na gestão de grupos, na tomada de decisão, na resolução de questões interpessoais e o falar em público. Já nos relacionamentos conjugais e familiares, ter abertura para o diálogo e para expressar o que sente, sem se concentrar em buscar culpados e diferenciar quem está "certo" ou "errado", também permite uma convivência mais harmoniosa. Dessa forma as habilidades sociais são expressas, aprendidas e refinadas através do contato social contínuo.


Cada pessoa tem uma visão de mundo diferente logo é natural ter opiniões diferentes, o que não deve inviabilizar o diálogo, para tanto podemos levar em consideração três importantes aspectos da habilidade social. Primeiro, ter consciência que para emitir uma opinião pessoal você não precisa criticar, invalidar ou desmerecer a opinião do outro. Ou seja, você pode expressar sua opinião sem se ocupar de convencer, competir ou controlar o que o outro pensa, a conversa pode fluir como uma troca de argumentos e não com a imposição destes. Segundo, escute o que o outro tem a dizer para aprender algo e não apenas para seguir defendendo seu ponto de vista. Escute com abertura e curiosidade, muitas vezes o argumento do outro pode te fazer reconsiderar seu ponto de vista ou mesmo ampliá-lo. Quando o objetivo não é vencer a discussão, o aprendizado pode ser mútuo. E por último, nem tudo é sobre você, não leve para o lado pessoal, não se sinta atacado pela opinião do outro, não acione seu modo contra-ataque antes de refletir se o ponto de vista do outro foi expresso com a intenção de ferir o seu sistema de valores ou se ele está apenas usando do direito que tem de emitir sua opinião sobre algo. Ainda que você não concorde, o fato de compreender que nem tudo que você ouve e lê por aí é pessoal, pode te poupar de muitas contrariedades. 

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem