Novacap apresenta projeto de hospitais de campanha

“As premissas do projeto são a rapidez na montagem, canteiro de obras limpo, materiais dentro das normativas e a segurança de pacientes e profissionais” Igor Mendes, arquiteto da Novacap

Representantes da Secretaria de Saúde (SES) e da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) se reuniram, na tarde de quarta-feira (10), com membros da força-tarefa de enfrentamento à covid-19 do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Durante o encontro, foram apresentadas as diretrizes para a construção de três hospitais de campanha, anunciados pelo governo local, com o objetivo de oferecer mais 300 leitos a pacientes que precisam de tratamento contra o novo coronavírus.

Cada unidade terá 100 leitos com suporte ventilatório, que serão instalados no Plano Piloto, Ceilândia e Gama, próximos a hospitais de referência. O investimento anunciado é de R$ 36 milhões para as estruturas. “O modelo construtivo é inspirado em hospitais de campanha que já funcionaram bem em outras unidades da Federação”, explicou o arquiteto Igor Mendes, da Novacap. “As premissas do projeto são a rapidez na montagem, canteiro de obras limpo, materiais dentro das normativas e a segurança de pacientes e profissionais.”

“Nos próximos dias, serão disponibilizados mais 107 leitos de UTI, e acredito que a saída mais rápida, neste momento, é a mobilização dos hospitais de campanha” Osnei Okumoto, secretário de Saúde

Compromisso de todos

O presidente da Novacap, Fernando Leite, comparou a situação decorrente da pandemia a uma verdadeira guerra e considerou o diálogo prévio com os órgãos de controle uma iniciativa inédita. “Demonstra a grande responsabilidade e compromisso de todos os envolvidos, que é salvar vidas”, resumiu.

O secretário de Saúde, Osnei Okumoto, lembrou que atualmente o DF conta com mais leitos de UTI em relação ao início da crise sanitária, mas que a adesão da população a medidas de isolamento social também foi maior durante a chamada primeira onda. “Nos próximos dias, serão disponibilizados mais 107 leitos de UTI, e acredito que a saída mais rápida, neste momento, é a mobilização dos hospitais de campanha”, defendeu.

Em tempo hábil

“É fundamental que todos os órgãos de controle interno, externo e de fiscalização compreendam e acompanhem o andamento do projeto, da contratação e também das obras, para que, em um tempo exíguo, a população do Distrito Federal possa ter leitos suficientes para o atendimento”, reforçou o procurador Eduardo Sabo.

Também participaram da reunião representantes do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) e da Controladoria-Geral do DF, além de outros técnicos da Secretaria de Saúde (SES) e da Novacap.

*Com informações da Novacap



Fonte Agência Brasília

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem