Veja como escolher peixe, aprenda receitas e descubra a piscicultura do DF

No Mercado do Peixe é possível encontrar diversas espécies e o local prioriza a comercialização 
da produto de fornecedores  do Distrito Federal e Entorno | Foto: divulgação Emater-DF


Atenção, consumidor: o feriado da Semana Santa está chegando (2 de abril) e é quando a procura por peixes mais aumenta em todo país e no Distrito Federal não é diferente. Dados apontam que Brasília é a cidade com o terceiro mercado consumidor de peixes no Brasil. E um bom lugar para comprar esse alimento, rico em Ômega -3,  é o Mercado do Peixe de Brasília, que fica dentro da Ceasa, e está aberto, mesmo em tempos de pandemia. Lá há dezenas de produtos e espécies, mas, cuidado: é preciso atenção na hora de escolher o pescado. 


De acordo com o coordenador do programa de Piscicultura da Emater-DF, Adalmyr Borges, o mais importante é observar a aparência do peixe e, também, reparar no dor. “Para o peixe fresco inteiro, observar a aparência dos olhos, que devem estar salientes e brilhantes, as brânquias devem ter coloração rosa avermelhada e a pele deve estar brilhante e sem a presença de cortes ou lesões. O peixe apresenta um odor característico, mas que não deve ser desagradável”, explica.


Outro cuidado fundamental é a conservação do peixe. “É importante manter a temperatura de conservação durante o transporte do pescado para casa. Chegando na residência, manter na geladeira ou no congelador até o momento do preparo”, diz Borges.


No Mercado do Peixe é possível encontrar diversas espécies e o local prioriza a comercialização de peixes dos produtores do Distrito Federal e do Entorno. Então, o alimento sai direto da fazenda para o prato do consumidor.


Mercado de pescado do DF


Segundo dados da Emater-DF, Brasília comercializa 45 mil toneladas de pescado anualmente e apresenta um consumo per capita de 14,1 kg por habitante por ano.


A principal espécie produzida na região é a Tilápia do Nilo, peixe com carne saborosa e sabor suave, muito apreciada em filés, postas e inteira. Pode ser servida grelhada, frita, assada ou em moquecas.


De acordo com o coordenador do programa de Piscicultura da Emater-DF, Adalmyr Borges, existem no DF 574 piscicultores, com uma produção de 1.800 toneladas anuais. As cidades do Entorno produzem outras 8 mil toneladas. Entretanto, 85% do que é consumido em Brasília vem de outros estados e até de outros países.



“Nossa participação é pequena no mercado regional. Ainda há muito espaço para a atividade e temos grande vantagem de produzir numa região em que o mercado é próximo, com poder aquisitivo alto e que compra muito pescado”, explica Borges.


Em 2020, o Valor Bruto da Produção de peixe gerou mais de R$ 14 milhões aos produtores, o que mostra uma recuperação do setor que foi afetada pela crise hídrica no DF.


Para saborear

No Instagram da Emater-DF é possível aprender como filetar tilápia e fazer um ceviche, comida tipicamente peruana. A receita é ensinada pelo extensionista Flávio Bonesso, do Centro de Formação Tecnológica e Desenvolvimento Profissional (Cefor) da Emater-DF. Confira aqui o vídeo. 


* Com informações da Emater-DF



Fonte: Agência Brasília

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem