COMER, COMER, É O MELHOR PARA PODER...?

 O que para muitos é um prazer, para outros gera preocupação. Algumas crianças comem demasiadamente, estilo Taz Mania, outras sofrem por não se alimentarem direito. Mas em uma coisa todos concordamos, é muito difícil encontrar o ponto de equilibro quando o assunto é alimentação Infantil. Pensando nisso, inicio hoje uma série sobre Nutrição Infantil, e para isso, conto com a ajuda da Nutricionista Materno Infantil e idealizadora do Programa Nutrindo Saber, Bruna Papalardo, e do Professor de Educação Física, William Leite.

(Fonte: Imagem da Internet)

A alimentação saudável na infância e na adolescência promove a saúde, o crescimento, o desenvolvimento além de prevenir problemas de saúde, tais como a anemia por deficiência de ferro, obesidade, e cárie dental; e pode impossibilitar doenças a longo prazo, como cardíacas, câncer, diabetes, hipertensão, osteoporose e outras.

Sabemos que persistência é palavra-chave para pais que enfrentam dificuldades em fazer seus filhos comerem bem, que tudo é um processo, e nesse desafio não é diferente, é uma trajetória com conquistas gradativas, dia a dia.

Outro fator que desencadeou descontrole e distúrbio alimentar nas crianças e adolescentes, foi a terrivelmente odiada quarentena. Além de comer mais, a garotada também está se exercitando menos, visto que ninguém, até então, tinha o hábito de praticar exercícios dentro da residência.

Bruna Papalardo, descreve outros fatores que são importantes para esse efeito:

1° Houve aumento do consumo de alimentos ultraprocessados, com baixo valor nutricional, mas ricos em aditivos alimentares, colorias e açúcar. Os doces estão entre os alimentos mais comprados na pandemia.

2° Muitas famílias estão sem uma rotina em casa. Não ter hora certa para dormir e fazer as refeições faz com que as crianças “belisquem” mais entre as refeições e geralmente essas “beliscadas” são em alimentos ricos em energia e de baixo valor nutricional.

3° O sedentarismo também aumentou com a pandemia devido o afastamento das crianças do ensino presencial e o isolamento social. A prática de exercícios é fundamental para a criança ter um controle saudável do peso.

4° Com a pandemia, as crianças estão ficando mais tempo em frente às telas (TV, tablets, celulares e videogames).

A situação é tão séria que a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) publicou um documento sobre obesidade em crianças e adolescentes em tempo de pandemia do novo coronavírus. Segundo a SBP, o confinamento também pode agravar questões emocionais. “A obesidade se associa a maior risco de ansiedade e depressão em crianças e adolescentes, logo, estas merecem observação especial de seu comportamento e humor por parte dos familiares”, afirma o documento Obesidade em crianças e adolescentes e Covid-19.

E nessa série traremos para vocês dicas de alimentação saudável e que cabe no seu orçamento, como também dicas de brincadeiras super divertidas para auxiliar o gasto calórico e ativar movimentos.

Vamos nessa comigo?

 

Roberta Oliveira

Escritora Infantil, Educadora Socioemocional, Coaching Kids, Contadora de Histórias, Animadora Infantil

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem