Equipamentos públicos de limpeza sofrem com vandalismo

Foto: Divulgação/SLU

A região de Brazlândia recebeu, no primeiro semestre deste ano, 12 novos papa-lixos para melhorar a limpeza pública da cidade. O problema é que um deles foi gravemente vandalizado no início desta semana. Atearam fogo em um dos contêineres, localizado na DF-001, em área da zona rural. Outros dois equipamentos instalados em Samambaia também foram vandalizados neste mês.

Foto: Divulgação/SLU
Papa-lixo foi incendiado. Ele fica numa zona rural, às margens da DF-001 | Foto: Divulgação/SLU

A equipe do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) foi acionada e, com a ajuda de um carro-pipa, conteve as chamas. O chefe do Núcleo de Limpeza de Brazlândia, Divino Ribeiro, registrou um boletim de ocorrência e lamentou o ocorrido. “Nós acionamos a Polícia Civil, fizemos o boletim e agora será feita uma perícia. São dois papa-lixos naquela localidade, apenas um deles foi vandalizado. Mas é uma situação triste, porque estamos falando de patrimônio público, e essa é uma região que realmente precisa desse tipo de equipamento”, afirmou.

O SLU instalou 102 novos papa-lixos neste ano. Cada equipamento custa, em média, R$ 35 mil. Para o final do mês de julho, está previsto o início da segunda etapa de instalação de mais 128 papa-lixos no DF

O SLU instalou 102 novos papa-lixos neste ano. Cada equipamento custa, em média, R$ 35 mil. Para o final do mês de julho, está previsto o início da segunda etapa de instalação de mais 128 papa-lixos no Distrito Federal. A meta do SLU é chegar a 454 papa-lixos até janeiro de 2022, atendendo a todas as regiões administrativas do DF.

O presidente do SLU, Silvio de Morais, pede a ajuda da população. “Esses equipamentos têm uma vida útil de até 25 anos e em tão pouco tempo estamos vendo todo um investimento destruído. A população precisa entender que esses equipamentos são para benefício de todos que moram na região. Com uma atitude dessa, fica o cidadão de bem pagando por esse prejuízo”, afirma.

Os papa-lixos são instalados como uma forma de ampliar a oferta do serviço de coleta à população. Trata-se de um contêiner semienterrado, com capacidade de até 5 m³, que possibilita o armazenamento dos resíduos de forma segura e limpa, evitando, assim, o descarte irregular pela população e a proliferação de vetores. Deve ser utilizado para receber resíduos orgânicos e indiferenciados (fraldas descartáveis, resíduos de banheiros etc).

Outro equipamento que também sofre com o vandalismo são as lixeiras. Desde novembro do ano passado, quando tiveram início as instalações, já foram 96 lixeiras depedradas. Para denunciar esse tipo de ação, a população pode utilizar os canais da ouvidoria do GDF e fazer registro pelo site ou pelo telefone 162.

*Com informações do SLU



Fonte: Agência Brasília

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem