EducaDF mostra que para organizar e poupar é só começar

Organizar, planejar e poupar são práticas desenvolvidas no projeto de educação financeira | Foto: Pexels

Engana-se quem pensa que as crianças não podem aprender a ter consciência em relação às finanças pessoais. A Escola Classe (EC) 15 de Ceilândia aceitou o desafio de criar um projeto de educação financeira para os quase 540 estudantes, de 6 a 10 anos, atendidos em período integral na unidade escolar.

Organizar, planejar e poupar são práticas desenvolvidas no projeto de educação financeira | Foto: Pexels

No episódio desta semana do podcast Educa DF conversamos com a diretora Mariângela de Oliveira da EC 15 de Ceilândia sobre o projeto de educação financeira desenvolvido na unidade escolar. Além disso, o economista Angeilton Faleiro deu dicas certeiras para organizar a vida financeira. Confira nas plataformas de áudio!

Planejando sonhos

“O projeto Aprendendo a Contar o Dinheiro do Cofrinho tem o objetivo de criar gerações mais responsáveis com o uso do dinheiro e o consumo. A criança precisa aprender a distinguir o que é desejo e o que é necessidade. Os estudantes têm visitado supermercados virtuais, por exemplo, e descobriram estratégias utilizadas para incentivar o consumo, como manter prateleiras com salgadinhos, biscoitos e balas em uma altura que seja acessível às crianças”, explica Mariângela.

A diretora Mariângela de Oliveira acredita que é possível criar gerações mais responsáveis com o uso do dinheiro e o consumo | Foto: Robson Dantas/SEEDF
“O projeto 'Aprendendo a Contar o Dinheiro do Cofrinho' tem o objetivo de criar gerações mais responsáveis com o uso do dinheiro e o consumo. A criança precisa aprender a distinguir o que é desejo e o que é necessidade” Mariângela Oliveira, diretora da EC 16 de Ceilândia

Os estudantes também têm noções de educação fiscal, orientação sobre as profissões para reconhecerem o valor do trabalho e aprenderam a construir um cofrinho com materiais recicláveis, para trabalhar a questão do descarte, do meio ambiente e da importância de reutilizar os materiais. O dinheiro arrecadado será utilizado na publicação de livros escritos pelos estudantes.

Economia cotidiana

A iniciativa é recomendada por economistas como Angeilton Faleiro, do Conselho Regional de Economia do Distrito Federal. “A educação financeira abrange diversas práticas, não se restringe a poupar. O consumismo está enraizado em nossa cultura, por exemplo, justamente porque não refletimos sobre nossa relação com o dinheiro, o que poderia ter sido ensinado na escola”, afirma.

O economista Angeilton Faleiro: “A educação financeira abrange diversas práticas, não se restringe a poupar” | Foto: Robson Dantas/SEEDF

Segundo Angeilton, para além da organização das finanças pessoais, a educação financeira contribui para que as crianças consumam de maneira inteligente, o que leva ao surgimento de cidadãos menos endividados. Com a diminuição da inadimplência, contribuímos para o crescimento do país. Quanto ao crescente boom de opções de investimentos que prometem rendimentos extraordinários, ele é taxativo: “Não há fórmula mágica para enriquecer”, destaca.

Quer sair do vermelho? Confira as três dicas para organizar sua vida financeira:

1. Anote seus gastos e recursos. Não se iluda acreditando que sua memória vai conseguir guardar todas as informações financeiras
2. Conheça sua situação financeira, observando os principais gastos e cortando os supérfluos
3. Caso seu orçamento não seja suficiente para suprir suas demandas essenciais, busque complementar com outras fontes de renda


*Com informações da Secretaria de Educação



Fonte: Agência Brasília

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem