Estudos para concessão de loterias e jogos são debatidos em audiência

A Secretaria de Projetos Especiais (Sepe) realizou nesta quinta-feira (5) audiência pública para debater a concessão dos serviços de loterias e jogos no Distrito Federal. A transmissão foi feita pelo canal Sepe GDF no YouTube, onde o vídeo está disponível.

A consulta pública continua aberta até 13 de agosto

O subsecretário de Prospecção de Projetos da Sepe, Luiz Ronaldo Cherulli, apresentou um resumo dos estudos de modelagem técnica, econômico-financeira e jurídica para a concessão dos serviços de implantação e operação de loterias e jogos.

Os questionamentos, durante a transmissão, foram recebidos pelo WhatsApp e também pelo chat do YouTube. “As perguntas foram bastante técnicas. Os participantes já conheciam os estudos que estão disponíveis no site da secretaria. Por isso, foi mais tranquilo conduzir a audiência”, comentou Cherulli.

Com as contribuições recebidas, a Sepe espera aprimorar os estudos que servirão de base para o edital de licitação

As perguntas e sugestões respondidas durante a audiência e as que não foram respondidas por falta de tempo estarão disponíveis no site da Sepe, no Relatório de Consulta e Audiência Públicas.

Quem não conseguiu participar e tiver dúvidas ou sugestões sobre os estudos pode entrar em contado pelo e-mail loterias.jogos@buriti.df.gov.br. A consulta pública continua aberta até 13 de agosto.

Com as contribuições recebidas, a Sepe espera aprimorar os estudos que servirão de base para o edital de licitação. Ajustes e complementações podem ocorrer durante o processo licitatório por conta de avaliações técnicas e jurídicas, tanto para atender recomendações e determinações dos órgãos de controle do DF, quanto para aprimoramento.

Concessão

A implantação de loterias e jogos no DF vai gerar recursos que poderão ser aproveitados em áreas de assistência social, cultura e desporto amadorista, segurança pública, entre outras que serão definidas pelo GDF.

“Uma das premissas do governo Ibaneis Rocha é atender as classes menos favorecidas. E esse projeto surgiu dessa necessidade de arrecadar mais recursos para áreas que trabalhem com esse público”, esclarece o secretário executivo da Sepe, Bruno Oliveira.

Para mais detalhes sobre os estudos é só entrar no site da Sepe.

*Com informações da Secretaria de Projetos Especiais



Fonte: Agência Brasília

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem