Faixas exclusivas garantem viagens mais rápidas aos passageiros

A implantação de corredores exclusivos para ônibus é uma importante política para priorizar o transporte público nas grandes cidades. Para incentivar o uso de coletivos e melhorar a mobilidade urbana, a Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob), juntamente com outros órgãos do GDF, tem atuado para ampliar esse serviço em rodovias e em vias urbanas, trazendo ganho de eficiência operacional e, principalmente, otimizando o tempo de viagem para os passageiros.

A faixa exclusiva da EPNB foi a primeira a ser criada no DF, em dezembro de 2011. Com 22 quilômetros de extensão, representa economia de 20 minutos para os passageiros de 95 linhas de ônibus. Por ela passam diariamente cerca de 480 ônibus.

Com os corredores exclusivos do transporte público, ganham os passageiros que utilizam os ônibus e também os demais motoristas, pois os coletivos deixam de circular entre outros veículos. “Além de fluir o trânsito, as faixas exclusivas beneficiam o usuário de ônibus, possibilitando viagens mais rápidas e confortáveis. Assim, o cidadão ganha mais tempo pra ficar com a família antes de sair de casa e pode retornar um pouco mais cedo, aumentando a sua qualidade de vida”, disse o secretário da Semob, Valter Casimiro.

Atualmente, as faixas exclusivas no DF somam mais de 150 quilômetros de extensão: 24 Km na Estrada Parque Taguatinga (EPTG); 55,6 Km na Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia) nos dois sentidos do corredor do BRT Sul; 22 Km na Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB); 26 Km nos dois lados das W3 Sul e Norte; 3,2 Km na Estrada Setor Policial Militar (ESPM) e 15 Km no Eixo Monumental, somando as vias S1 e N1.

Conheça cada via

A faixa exclusiva da EPNB foi a primeira a ser criada no DF, em dezembro de 2011. Com 22 quilômetros de extensão, representa economia de 20 minutos para os passageiros de 95 linhas de ônibus. Por ela passam diariamente cerca de 480 ônibus.

Em 2012, outra via importante do DF ganhou seu corredor exclusivo: a EPTG. A faixa começou a funcionar em 31 de janeiro daquele ano, mas utilizada somente por 11 linhas semiexpressas, de forma que os passageiros só podiam embarcar e desembarcar nas cidades de origem e não na EPTG, já que os ônibus dessas linhas não paravam ao longo da via.

Em 2019, os coletivos de linhas convencionais passaram a circular, de forma provisória, nas faixas exclusivas da EPTG no sentido inverso ao dos demais veículos nos horários de pico. A medida temporária foi tomada para contornar o problema da falta de ônibus sem portas do lado esquerdo.

Por determinação da Semob, as operadoras adquiriram os coletivos com portas de acesso dos dois lados, que começaram a operar em janeiro de 2020. A medida facilitou a vida dos passageiros e garantiu segurança na hora de embarcar ou descer dos ônibus.

Atualmente, 238 veículos de 63 linhas passam pelo corredor da EPTG (incluindo as semiexpressas), beneficiando os passageiros que saem de Taguatinga, Ceilândia, Samambaia e Recanto das Emas para a Rodoviária do Plano Piloto e W3 Sul e Norte. Esses usuários ganharam, em média, 30 minutos no tempo de viagem – somando o trajeto de ida e volta.

As faixas exclusivas das vias W3 Sul e Norte e do Setor Policial Sul (ESPM) também foram implementadas em 2012. As duas primeiras possuem 14 e 12 quilômetros de extensão, respectivamente, o que representa uma economia de 10 minutos para os passageiros, enquanto a da ESPM possui 3,5 quilômetros, significando a redução de 5 minutos no tempo das viagens de ônibus. Juntos, esses corredores facilitam o deslocamento dos ônibus de 284 linhas. Mais de 1.350 veículos passam por esses corredores.

Por sua vez, os passageiros de Gama e de Santa Maria passaram a usufruir do corredor exclusivo do BRT Sul em junho de 2014 na EPIA, quando começou a operação do sistema ligando as duas regiões ao Plano Piloto. A média de economia das viagens é de 20 minutos, ida e volta. São mais de 55 km de faixas, por onde passam 138 ônibus diariamente.

A via exclusiva mais recente foi implantada em dezembro de 2020, no Eixo Monumental, visando dar mais rapidez às mais de duas mil viagens de ônibus que passam pela via, beneficiando mais de 160 mil passageiros. A exclusividade funciona na via S1, sentido Cruzeiro-Esplanada dos Ministérios, e na N1, sentido Congresso Nacional-Setor Militar Urbano (SMU). Cada lado do corredor tem 7,5 quilômetros.

Mais investimentos

Atualmente, as faixas exclusivas no DF somam mais de 150 quilômetros de extensão: 24 Km na Estrada Parque Taguatinga (EPTG); 55,6 Km na Estrada Parque Indústria e Abastecimento (EPIA) nos dois sentidos do corredor do BRT Sul; 22 Km na Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB); 26 Km nos dois lados das W3 Sul e Norte; 3,2 Km na Estrada Setor Policial Militar (ESPM) e 15 Km no Eixo Monumental, somando as vias S1 e N1 | Foto: Renato Alves /Agência Brasília

Em junho deste ano, o GDF anunciou um pacote de obras para o chamado Corredor Eixo Oeste, que interliga Sol Nascente/Pôr do Sol, Ceilândia, Taguatinga, Vicente Pires, Guará, Sudoeste e a Asa Sul, no Plano Piloto. São previstos R$ 500 milhões em investimentos para viabilizar um corredor exclusivo de ônibus entre essas regiões.

O Corredor Eixo Oeste será uma conexão de aproximadamente 30 quilômetros de extensão entre o Sol Nascente e a área central do Plano Piloto, passando pelas avenidas Hélio Prates e Comercial Norte, centro de Taguatinga e EPTG, e se desmembrando em duas: a EPIG e a ESPM.

Prioridade

Para o secretário Valter Casimiro, a implantação de políticas que privilegiam o transporte público é uma medida que visa também atrair novos passageiros. “O incentivo por trocar o uso do automóvel pelo transporte coletivo, bem como por modos não-motorizados, é uma das diretrizes de política urbana para melhoria da mobilidade. Faixas exclusivas para ônibus, implantação de ciclovias e aumento das áreas para pedestres são cruciais para seguirmos esse norte”, completa.

A priorização do transporte público coletivo ao individual está prevista tanto na Lei Federal 12.587/2012, que instituiu a Política Nacional de Mobilidade Urbana, quanto, no âmbito distrital, pelo Plano Diretor de Transporte Urbano, o PDTU, estabelecido pela Lei 4.566/2011.

Na norma local, inclusive, há expressamente a previsão de se implantar as faixas exclusivas como forma de incentivar o deslocamento por ônibus.

* Com informações da Semob



Fonte: Agência Brasília

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem