Mais uma edição do Encontro Acadêmico de Defesa Agropecuária 

Nesta terça (28), a Secretaria da Agricultura do Distrito Federal (Seagri-DF) realizou a terceira edição do Encontro Acadêmico de Defesa Agropecuária. O evento ocorreu na Casa do Cerrado, como uma das atividades da Semana Distrital de Defesa Agropecuária, e contou com a participação de 40 estudantes do curso de Medicina Veterinária e veterinários da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF).

A primeira atividade do evento foi uma simulação de atendimento a emergências sanitárias, necessária no controle de doenças de impacto na economia ou saúde pública em animais de interesse pecuário. O objetivo foi demonstrar aspectos gerais de uma emergência sanitária, bem como a complexidade de sua gestão.

“Essa simulação é muito importante para sensibilizar os veterinários da importância da atuação deles como sensores epidemiológicos, a fim de melhorarmos a detecção precoce de doenças emergenciais e implementarmos uma reação mais rápida e eficiente”, esclareceu a Subsecretária de Defesa Agropecuária, Danielle Araújo. “Uma resposta rápida frente a emergências diminui consideravelmente os custos da operação, pois permite que a disseminação da doença seja contida precocemente”, afirmou Vinícius Campos, diretor de Sanidade Agropecuária e Fiscalização da Seagri-DF.

O objetivo do evento foi orientar estudantes e profissionais que atuam como responsável técnico, e despertar o interesse dos acadêmicos de Medicina Veterinária para esse ramo de atuação, em expansão | Foto: Divulgação/Seagri

Outra atividade do Encontro Acadêmico de Defesa Agropecuária foi a realização de uma palestra sobre o papel do responsável técnico (RT) nas agroindústrias de alimentos.

O objetivo foi orientar estudantes e profissionais que atuam como responsável técnico, e despertar o interesse dos acadêmicos de Medicina Veterinária para esse ramo de atuação, em expansão.

A atividade foi coordenada pela Diretoria de Inspeção de Produtos de Origem Animal e Vegetal (Dipova), da Seagri-DF. “O responsável técnico deve atuar de forma suplementar à inspeção oficial e trabalhar para que a agroindústria respeite todas as normas sanitárias exigidas por lei”, explicou Marco Antônio Martins, diretor da Dipova, da Seagri-DF. 

Ainda no evento ocorreu o “Circuito Apreensão de Animais e Projeto Adote um Animal”, no curral da Gerência de Apreensão de Animais da Seagri-DF. O objetivo foi demonstrar a dinâmica da atividade de recolhimento de animais de grande porte soltos em vias e logradouros públicos.

“O trabalho vai desde a preparação das equipes com o recebimento da denúncia ou chamado para operações de apoio aos demais órgãos do governo, passando pelo procedimento de recolhimento, embarque e desembarque dos animais nas instalações do curral, triagem, coleta de material para exames, trato dos animais, até a destinação ao Projeto Adote um Animal”, esclareceu a diretora de Fiscalização de Trânsito da Seagri-DF, Fernanda Oliveira.

A subsecretária de Defesa Agropecuária da Seagri-DF ressaltou a importância do III Encontro Acadêmico de Defesa Agropecuária no contexto da agropecuária. “Os universitários que participaram do evento em breve estarão no mercado de trabalho, e é importante que estejam sensibilizados para as questões sanitárias. Só assim poderão efetivamente contribuir para o desenvolvimento sustentável do agronegócio nacional”, destacou Danielle Araújo.

* Com informações da Seagri

 



Fonte: Agência Brasília

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem