Começa Programa Escolas Inovadoras no DF

O desenvolvimento do projeto Escolas Inovadoras em parceria com a SEE-DF teve início em 2019, mas a pandemia impactou o andamento do processo que foi ativamente retomado este ano| Foto: Divulgação/FAP-DF

Na tarde da última segunda-feira (18), equipe da Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação do Distrito Federal (FAPDF) recebeu representantes das quatro Organizações da Sociedade Civil (OSCs) selecionadas no Programa Escolas Inovadoras (Edital 04/2019) para a primeira reunião de trabalho do projeto.

O desenvolvimento do projeto Escolas Inovadoras em parceria com a SEE-DF teve início em 2019, mas a pandemia impactou o andamento do processo que foi ativamente retomado este ano| Foto: Divulgação/FAP-DF

Representantes da Brasil Startups, União Planetária, Universidade Católica de Brasília (UCB) e da Agência de Transformação Social (Iecap) apresentaram seus projetos de educação inovadora, que serão desenvolvidos e implementados em conjunto com a Secretaria de Educação (SEE-DF).

A abertura do evento, realizado no Sebrae Lab, contou com a participação da superintendente de Ciência, Tecnologia e Inovação da FAPDF, Renata de Castro Vianna, do coordenador de Tecnologia e Inovação da FAPDF, Gilmar Marques, e da representante da Subsecretaria de Educação Básica da SEE-DF, Janaina Vieira.

“A ideia é de fato andar de mãos dadas com a Secretaria de Educação. O que estamos fazendo aqui é em prol da nossa cidade e qualificando o investimento do GDF para que seja devolvido ao DF em melhorias, especificamente para uma área tão carente como é a educação” Renata Vianna, superintendente de Ciência, Tecnologia e Inovação da FAPDF

“Hoje me parece um pontapé inicial das atividades do programa. A FAPDF está aberta para atender, tirar todas as dúvidas e fazer com que esse processo tenha o melhor desempenho possível. Os editais três e quatro de 2019 têm uma característica especial, pois marcam esse novo modelo de atuação da fundação em parceria com OSCs, uma metodologia que tem contribuído significativamente para o aumento da nossa capacidade de execução e realização”, destacou Renata Vianna.

A superintendente explica que a “ideia é de fato andar de mãos dadas com a Secretaria de Educação, fazer com que novas expectativas possam surgir na educação do Distrito Federal. O que estamos fazendo aqui hoje é em prol da nossa cidade e qualificando o investimento do orçamento do GDF para que seja devolvido ao Distrito Federal em melhorias, especificamente nesse edital para uma área tão carente como é a educação”.

O desenvolvimento do projeto Escolas Inovadoras em parceria com a SEE-DF teve início em 2019, mas a pandemia impactou o andamento do processo que foi ativamente retomado este ano. “Nós tivemos alguns impactos consideráveis, especialmente quando se fala em projetos baseados em tecnologia. Então discutimos algumas questões, realinhamos o projeto e proporcionamos o contato das OSCs selecionadas com as escolas indicadas para os projetos para que fosse possível o diagnóstico da realidade da escola”, assinalou Janaina Vieira.

O programa e os projetos selecionados

O Escolas Inovadoras nasceu em 2019 com o lançamento do Edital 04/2019, que abriu chamamento público voltado para Organizações da Sociedade Civil (OSCs). O intuito foi selecionar OSCs para a execução de projetos de educação inovadores a serem realizados em conjunto com a SEE-DF. O edital (disponível em https://www.fap.df.gov.br/editais-2019-2/), conta com orçamento global de R$ 15 milhões para o projeto de Escolas Inovadoras.

O projeto da Agência de Transformação Social (Iecap) visa o engajamento escolar, na interação com os alunos e pais ou responsáveis legais, comunidade local, membros da equipe gestora, corpo docente, servidores e colaboradores atuantes em serviços administrativos e auxiliares de serviços gerais. Propõe atuação nas fases finais do ensino fundamental, pois a equipe afirma que é nessa fase que surgem as dificuldades de cumprimento das metas de aprendizagem dos planos Nacional e Distrital de Educação.

A equipe sugeriu que vai trabalhar junto ao Centro de Ensino Fundamental 28 de Ceilândia (CEF 28), onde pretende superar as metas de aprendizagem elencadas pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), diminuir os índices de evasão, desenvolver todas as competências e habilidades, implementar um protótipo inovador capaz de incrementar as aprendizagens acadêmicas e socioemocionais, gerando transformações individuais e coletivas. O investimento da FAPDF no projeto será de R$ 3.496.040,00.

A União Planetária apresentou projeto que visa levar educação ambiental, conscientização da sustentabilidade, valorização da diversidade e da cidadania para estudantes e professores. A proposta, denominada Projeto Educacional Supren, vai implementar, no Centro de Ensino Fundamental 1 do Planalto, um sistema permacultural baseado nos princípios da Ecologia Profunda e da Educação Gaia, tendo em vista a otimização da captação e o uso da água, promover eficiência energética, reciclar e reaproveitar os resíduos, produzir e consumir alimentos orgânicos. Assim, os estudantes, professores, gestores, pais e membros da comunidade do bairro poderão compreender os princípios de um organismo saudável, fortalecendo os vínculos familiares e comunitários. O investimento da FAPDF no projeto será de R$ 2.030.867,83.

A Universidade Católica de Brasília (UCB) realizou levantamento de dados do Ideb e constatou que o Distrito Federal obteve uma nota baixa na meta de aprendizagem esperada em 2017. Partindo desse diagnóstico, a OSC trabalhará no Centro de Ensino Fundamental 11 (CEF 11) de Taguatinga Norte, onde identificou queda de desempenho dos alunos, de acordo com o índice, que mede notas de 0 a 10: em 2015 a nota da escola foi de 3,9 e em 2017 não passou de 3,6, ou seja, abaixo do índice distrital que é de 4,9.

O Projeto Alpha, como é denominado pela UCB, propõe uma metodologia de cocriação de escola inovadora, com gestão participativa, para melhorar os índices de permanência e conclusão dos anos finais do ensino fundamental, gerando senso de pertencimento no espaço escolar por parte dos gestores, docentes, funcionários, estudantes e suas famílias. O investimento da FAPDF no projeto será de R$ 3.546.300,00.

A Brasil Startups, antiga Associação de Startups e Empreendedores Digitais (Asteps), apresentou o chamado Projeto Retina. O propósito é utilizar tecnologias audiovisuais e metodologias inovadoras, como jogos, hackatons e demodays, para implementar a educação empreendedora em escolas de ensino médio. A iniciativa piloto vai ser realizada na Escola Técnica de Ceilândia e a ideia é cocriar uma escola que ofereça cursos e eventos conectados a demandas educacionais do século 21, como sustentabilidade, inovação e empreendedorismo.

O Retina tem o intuito de desenvolver a integração entre a comunidade escolar e o ecossistema de tecnologia e inovação para instigar encontros, inovações e soluções educacionais, além de fomentar conhecimentos, insights e questionamentos importantes para o cotidiano da educação. O investimento da FAPDF no projeto será de R$ 3.205.900,00.

*Com informações da FAP-DF



Fonte: Agência Brasília

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem