Produtoras rurais do DF aprendem a fazer panetone

“A intenção é ensinar os produtores a fazer panetone agora para dar tempo deles praticarem e ir aprimorando até dezembro” Paulo Henrique de Melo, técnico em Agroindústria da Emater-DF

Produtoras rurais do Distrito Federal participaram de um curso de produção de panetones ministrado pela Emater-DF. O objetivo foi apresentar às agricultoras uma opção de complementação de renda para o fim do ano, quando esse tipo de pão é mais consumido. Na atividade, que durou todo um dia, também foram abordados aspectos importantes de comercialização.

O técnico em Agroindústria da Emater-DF Paulo Henrique de Melo Alvares, que ministrou o curso, explicou questões técnicas da massa de panetone, como qual farinha usar, qual fermento, quanto açúcar e como utilizar as frutas que vão na massa.

Em uma segunda parte, juntamente com as alunas, ele fez a massa. O curso faz parte das programações do Centro de Formação Tecnológica e Desenvolvimento Profissional (Cefor) da Emater-DF, que voltou a realizar atividades na modalidade presencial e com turmas reduzidas, devido à pandemia.

O curso dá às produtoras rurais uma opção de complementação de renda para o fim do ano, quando esse tipo de pão é mais consumido | Fotos: Emater-DF

“Nossa intenção é ensinar os produtores a fazer panetone agora para dar tempo deles praticarem e ir aprimorando até dezembro, caso queiram vender para ter uma renda a mais no final do ano”, explicou Paulo Henrique.

Renda extra

A produtora de São Sebastião Rosângela Rodrigues, 44 anos, levou o filho Eduardo Monteiro Menezes, 19, para aprender. Ela contou que o rapaz já faz pães e biscoitos para vender na feira rural de São Sebastião, e agora está apostando no panetone.

“Só com o dinheiro da roça a gente não dá conta. Vamos caprichar no panetone e levar pra feira na tentativa de ganhar um dinheirinho a mais”, contou. Eduardo também estava empolgado : “Eu já faço outras coisas. Essa é mais uma que estou aprendendo.”

Já a produtora Yumi Matsumoto Neves, 44, moradora da Colônia Agrícola Veredas, Samambaia Norte, não sabe ainda se vai vender ou apenas produzir para consumo familiar. Mas ela conta que decidiu fazer o curso porque queria aprender.

“Sempre que a Emater promove algum curso, procuro fazer, porque a gente sempre aprende com tudo. Por exemplo: eu trabalho com paisagismo também e em um curso sobre as PANCs [Plantas Alimentícias Não Convencionais] aprendi que capuchinha, que eu usava no paisagismo, dá para comer e tem gosto de agrião. Isso foi importante no meu trabalho. Hoje estou aqui aprendendo mais uma coisa”, disse.

Mão na massa

Fazer panetone exige dedicação e paciência. É preciso preparar as frutas, sovar bastante a massa, deixar descansar, colocar para crescer duas vezes, assar a 180 graus, tirar do forno e colocar de cabeça para baixo para esfriar, isso para evitar que ele murche. E se a pessoa quiser incrementar o pão, ainda precisa fazer recheio, cobertura e decoração.

“É um trabalho lento, mas precisa ser feito com calma porque os ingredientes não são baratos. Se a pessoa conseguir incrementar com recheio, por exemplo, ela consegue ainda agregar um valor e vender um pouco melhor”, aconselha o extensionista Paulo Henrique.

*Com informações da Emater-DF



Fonte: Agência Brasília

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem