Professora se capacita e investe no meio rural

Michele Alves Evangelista, 40 anos, é um exemplo de persistência e empreendedorismo. Foi há dois anos que ela, que também é professora, decidiu comprar uma propriedade no Lago Oeste e começou a empreender no meio rural. Foi também com muita luta que ela conseguiu dois pontos de comercialização em shoppings da cidade, onde vende seus produtos e de outros produtores do Lago Oeste.

Em feirinhas de dois shoppings, Michele vende frutas, hortaliças, geleias, ovos, pães, biscoitos e roscas fabricadas por ela e por mais três produtores | Fotos: Emater

No início, quando decidiu comprar uma propriedade rural, a ideia era apenas ter mais espaço. No entanto, a chácara adquirida já tinha entre 50 e 60 pés de goiaba. “A gente pensou: o que fazer com isso? Foi aí que procuramos a Emater e tudo começou”, lembra.

“Temos atendido muitos casos assim, de pessoas que nunca tiveram ligação com a agricultura e, de repente, se mudaram para uma propriedade rural. Esse também é o público da Emater” Isabella Belo, extensionista do escritório da Emater em Sobradinho

Seguindo conselhos recebidos por técnicos da Emater, Michele e o marido decidiram podar as goiabeiras para verificar se elas seriam produtivas. As que não produziram foram retiradas. Em seguida, também sob orientação da Emater, iniciou a fabricação de geleias e o processo para regularizar a agroindústria.

Além de goiaba, Michele cultiva figo e amora na chácara. Ela conta que produz de maneira orgânica, mas ainda está em processo de certificação. Somente quando todo o trâmite estiver finalizado ela poderá usar o selo verde “Produto Orgânico Brasil”, que atesta a origem do alimento.

O restante das frutas que usa nas geleias – morango, jabuticaba, abacaxi, abacaxi com pimenta, maçã, pimenta, manga com damasco e cupuaçu – compra de outros agricultores. “Exceto o cupuaçu, que vem do Pará, as outras são todas do DF”, conta ela, que procura adquirir apenas produtos orgânicos ou agroecológicos, incluindo o açúcar usado na produção.

Michele faz geleias de goiaba, figo e amora com frutas que ela mesma cultiva. O restante das frutas que usa nos doces, compra de outros agricultores

Comercialização

A produtora começou a vender as geleias a pessoas que encomendavam diretamente dela. Mas, depois de muita persistência, conseguiu espaço em duas feiras que ocorrem nos shoppings Liberty Mall e Brasília Shopping, além da Ceasa.

“Eu entregava geleia para a dona de uma loja do shopping [Liberty] e um dia ela me falou da feirinha que acontecia no local todas as quartas-feiras. Procurei o marketing do shopping e pedi espaço. Um dia, um produtor que já comercializava verduras no local acabou desistindo e o shopping me ofereceu o espaço dele”, conta Michele, que vende frutas, hortaliças, geleias, ovos, pães, biscoitos e roscas fabricadas por ela e por mais três produtores.

A participação na feira do Brasília Shopping também surgiu da persistência de Michelle, que procurou a administração do centro comercial depois de ler uma postagem nas redes sociais. Ela conseguiu o espaço, aos sábados, onde vende os mesmos produtos do Liberty. Para a Ceasa, aos sábados, leva bolos e geleias.

Ampliar a produção de frutas na chácara será o próximo passo de Michele, para depender cada vez menos de outros produtores

Assistência técnica

Ampliar a produção de frutas na chácara será o próximo passo de Michele, para depender cada vez menos de outros produtores. “Ainda não consegui dinheiro pra fazer tudo que quero, mas já está nos planos”, afirma.

E ela conta com o apoio da Emater também para isso, conforme explica a extensionista Isabella Belo, do escritório de Sobradinho. “Ajudamos a Michele desde o início, com manejo, plantio, regularização da agroindústria, do selo de orgânicos com assistência técnica. Fornecemos todas as orientações sobre cada um dos passos que ela deu, porque essa é função da Emater.”

Isabella conta que movimentos como o da professora, que levava uma vida urbana e acabou se mudando para uma propriedade rural, têm sido cada vez mais comuns no DF. “Temos atendido muitos casos assim, de pessoas que nunca tiveram ligação com a agricultura e, de repente, se mudaram para uma propriedade rural, geralmente pequena, e começaram a produzir e a gerar renda. Esse também é o público da Emater. Podemos ajudar”, informa.

*Com informações da Emater



Fonte: Agência Brasília

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem