Médicos residentes reforçam as equipes de Saúde da Família

“Brasília se torna um dos polos mais importantes de formação de medicina comunitária e de família do Brasil, e isso vai ser um divisor de águas” Fernando Erick Damasceno, secretário adjunto de Assistência à Saúde

As equipes de saúde da família terão reforço para atuação em todas as regiões de saúde do Distrito Federal. Após firmar contrato temporário com 500 agentes comunitários e dar posse a novos enfermeiros da área, a Secretaria de Saúde (SES) anunciou a aprovação de 60 médicos para o programa de residência em medicina de família e comunidade. O edital foi divulgado no dia 4 deste mês.

Os 60 selecionados vão trabalhar nas unidades básicas de saúde (UBSs) acompanhados por médicos preceptores. Ao longo de dois anos, os residentes farão consultas individuais, procedimentos e atividades de educação em saúde. Também vão atuar em atendimentos em domicílio, atividades educativas em grupo na comunidade e reconhecimento de áreas de vulnerabilidades econômicas, sociais, epidemiológicas ou comportamentais.

Unidades básicas de saúde serão beneficiadas com os novos profissionais | Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde

Segundo o secretário adjunto de Assistência à Saúde, Fernando Erick Damasceno, esse novo programa de residência será um marco para o Distrito Federal. “Brasília se torna um dos polos mais importantes de formação de medicina comunitária e de família do Brasil, e isso vai ser um divisor de águas para a gente”, afirma. De acordo com o médico, que fez a residência na área pela Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências e Saúde (Fepecs), o programa também ajudará a fortalecer a Atenção Primária nas regiões de saúde do DF.

“Serviços estruturados com equipes qualificadas na Atenção Primária são capazes de resolver em torno de 80% das necessidades de saúde, com eficácia e humanização, promovendo um cuidado integral e ao longo da vida das pessoas e de seus familiares”, aponta a subsecretária de Atenção Integral à Saúde, Paula Lawall. Um dos papéis desses profissionais, ressalta a gestora, é ampliar a compreensão das comunidades sobre o papel da Atenção Primária à Saúde.

Especialidade em alta

Mestre em saúde da família pela Fiocruz, Paula Lawall explica que a especialidade cresceu aproximadamente 30% em dois anos, em todo o país, atraindo um número crescente de profissionais. “É uma especialidade que está presente nos mais variados cenários, como centros urbanos, áreas de risco, rurais, indígenas, ribeirinhas e quilombolas com um escopo amplo de atuação”, diz.

605 equipes de saúde da família atuam no DF

No programa de residência conduzido pela SES, os futuros especialistas na área devem ter contato com uma visão holística do cuidado com as famílias e as comunidades, incluindo os contextos biológico, psicológico e social e suas interações.

A perspectiva é abrir novos editais de residência na área, possibilitando integrar um residente em 120 das 605 equipes de saúde da família que atualmente trabalham no DF. O programa caminha para ter caráter permanente. Também tramita na Secretaria de Economia (Seec) o processo para um futuro concurso público para médicos de família e de comunidade. Em 30 de setembro, tomaram posse 39 enfermeiros de família e comunidade.

Cobertura territorial

Hoje, o DF tem o maior número de equipes de Estratégia de Saúde da Família (ESF) credenciadas junto ao Ministério da Saúde, desde o início deste modelo assistencial, com cobertura em 83% do território local.

As equipes são compostas por um enfermeiro, um médico, dois técnicos de enfermagem e até seis agentes comunitários de saúde. Em 2020, a Atenção Primária  promoveu 4.431.734 procedimentos – número que inclui 277.657 visitas domiciliares e 2.291.320 atendimentos.

*Com informações da Secretaria de Saúde



Fonte: Agência Brasília

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem