Mobilização fortalece prevenção de riscos de famílias vulneráveis

 

O encontro reuniu profissionais das unidades do Cras, do Creas e do CCFV | Fotos: Divulgação/Sedes

Padronizar procedimentos técnicos para aprimorar a oferta do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV). Foi com esse objetivo que a Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) promoveu sete oficinas com gerentes das unidades socioassistenciais que ofertam o serviço e profissionais envolvidos para integrar as ações no atendimento às famílias vulneráveis, reforçar a prevenção de situações de risco social e fortalecer vínculos familiares.

Participaram profissionais das unidades do Centro de Referência de Assistência Social (Cras), do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e do Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (CCFV).

“A ideia é complementar o trabalho social das famílias com outros serviços da Proteção Social Especial. Então, foi feita a articulação para aprimorar a organização da oferta. É essa articulação entre os serviços que vai aprimorar o atendimento” Clayton Andreoni, diretor de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da Sedes

“Foram encontros voltados para organização e aprimoramento da oferta do serviço. A maior parte dos servidores atuam na perspectiva dos serviços de convivência, não da oferta, mas dessa organização. A ideia é complementar o trabalho social das famílias com outros serviços da Proteção Social Especial. Então, foi feita a articulação para aprimorar a organização da oferta. É essa articulação entre os serviços que vai aprimorar o atendimento”, detalha o diretor de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da Sedes, Clayton Andreoni.

As sete oficinas foram realizadas entre 27 de outubro e o dia 5 deste mês. Os encontros foram divididos por áreas para atender unidades socioassistenciais que abrangem as 33 regiões administrativas. No total, foram mais de 200 profissionais discutindo ações para aprimorar o SCFV. “Separamos os encontros por região de desenvolvimento social”, explicou o diretor.

O objetivo dos encontros foi discutir e a aprimorar as diretrizes gerais expressas na Informação Técnica Dicon n° 14/2021. “Foram encontros de discussão para aprimorar a organização e a oferta do serviço de convivência, referenciamento ao Cras e articulação com outros serviços que ele complementa. Não foi uma capacitação, porque, nesses encontros, fizemos discussões coletivas e reflexões que vão melhorar as diretrizes gerais e o módulo de gestão de demandas para operacionalizar essa oferta”, explicou Clayton Andreoni.

Trabalho preventivo e proativo

As unidades do Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos fazem um trabalho preventivo e proativo com as famílias mais vulneráveis para evitar situações de risco social. Crianças, adolescentes e idosos são divididos em grupos por faixa etária.

As atividades específicas são desenvolvidas por profissionais da assistência social de acordo com as particularidades de cada grupo. Os CCFVs têm o objetivo de ampliar trocas culturais e de vivências, desenvolver o sentimento de pertencimento e de identidade, fortalecer vínculos familiares e incentivar a socialização e a convivência comunitária.

O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos integra o conjunto de serviços do Sistema Único de Assistência Social (Suas), oferecendo à população que vivencia situações de vulnerabilidades sociais novas oportunidades de reflexão sobre a realidade social. Dessa forma, contribui para a planejamento de estratégias e na construção de novos projetos de vida.

*Com informações da Secretaria de Desenvolvimento Social 



Fonte: Agência Brasília

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem