Uso das bikes rosa cresce 60% no DF em cinco meses de funcionamento

“Uso desde o início, quando elas chegaram no fim de 2021. As bikes são superconfortáveis, é fácil de retirá-las e tudo se faz via aplicativo. Gosto de andar no próprio parque (da Cidade)” Sandra Gusmão, 49 anos, servidora pública

Após cinco meses de funcionamento, as bicicletas compartilhadas já são notadas facilmente pelas ruas de Brasília. Agora na cor rosa, 355 unidades estão distribuídas por 41 estações na região central da capital. E, segundo a empresa Tembici, operadora do sistema, as viagens das “rosinhas” aumentaram 60% se comparadas a outubro de 2021, quando o programa foi implantado.

Outro dado mostra que o brasiliense aderiu a esta nova opção de mobilidade: a operadora registrou um aumento de quatro vezes no número de “bicicleteiros”, observando-se o primeiro trimestre deste ano em relação ao último de 2021.

Novas, práticas e acessadas por meio de um aplicativo de celular, as bikes, de fato, têm uma boa rotatividade na maioria das estações. Em especial no Parque da Cidade, em frente ao Setor de Rádio e TV, e próximo à Funarte, no Eixo Monumental – os pontos mais disputados.

A novas bicicletas são facilmente acessadas por meio de um aplicativo de celular | Fotos: Renato Araújo/Agência Brasília

As bicicletas disponíveis na estação do parque, segundo o levantamento da empresa, são responsáveis por 20% dos passeios de todo o sistema. É o caso da servidora pública Sandra Gusmão, 49 anos, que bate o ponto no local. Aluga a bike duas vezes por semana após o trabalho. Aos sábados ou domingos, traz os dois filhos, e mais de uma vez eles já encontraram o ponto com capacidade para 26 bicicletas totalmente vazio.

João Paulo Rodrigues trabalha no Setor de Autarquias Sul e costuma pedalar depois do expediente para relaxar: “Depois, pego o ônibus e vou para minha casa”, revela o morador de Planatina

“Uso desde o início, quando elas chegaram no fim de 2021. As bikes são superconfortáveis, é fácil de retirá-las e tudo se faz via aplicativo. Gosto de andar no próprio parque”, conta Sandra. “Moro no Guará e, se tivesse uma estação por lá, pensaria seriamente em vir pedalando para o meu trabalho aqui no Plano Piloto”, admite. Ela tem uma “magrela” em casa, mas hoje prefere usar as rosinhas.

O técnico-administrativo João Paulo Rodrigues, 33 anos, trabalha no Setor de Autarquias Sul. O hobby dele é pedalar após o expediente para esfriar a cabeça. O rapaz circula pela área verde das entrequadras da Asa Sul. “Não tenho nada de ruim para falar. Venho quase todos os dias e gosto muito. Depois, pego o ônibus e sigo para minha casa”, revela o morador de Planaltina.

355 Número bicicletas distribuídas por 41 estações na região central da capital

As 41 estações estão situadas nas asas Sul, Norte e em outros pontos da região central, como o Eixo Monumental, na altura do Sudoeste, no Parque da Cidade e outros. Em Águas Claras, as bicicletas são elétricas: há uma parceria da operadora com um aplicativo de entrega de refeições e o aluguel é exclusivo para usuários da atividade.

A ideia de levar o sistema compartilhado para outras regiões administrativas (RAs) está em estudo pela Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob). Segundo o secretário Valter Casimiro, o objetivo é colocar subsídio do governo para expandir para as demais cidades. O Plano Piloto, segundo ele, foi a RA onde os gestores mais se mostraram interessados em implantar o projeto quando houve um chamamento público à época.

“As bikes compartilhadas eram muito aguardadas na cidade. Os brasilienses abraçaram o projeto desde o início. Conforme o aumento da demanda e a maturidade do programa, podemos expandir a outros lotes”, pontua a gerente regional da Tembici, Marcella Bordallo. O contrato prevê um total de 500 bicicletas e 70 estações que estão sendo criadas aos poucos.

Ciclovias à vontade

Se tem muitas bicicletas para compartilhar, ciclovia é o que não falta no Distrito Federal. Nas asas Sul e Norte, de acordo com números da Semob, são 136 km de ciclovias construídas. Já no Sudoeste, são mais 10 km de pistas para os ciclistas transitarem com segurança.

“Brasília tem uma extensão enorme de ciclovias e conseguimos atender bem a mobilidade da população do Plano Piloto. Naturalmente, precisamos fazer algumas interligações entre elas, mas isso já está previsto”, adianta Casimiro. Com uma malha cicloviária atual de 633,49 km, a capital federal  só fica atrás de São Paulo (699 km).

Como alugar:

Para mais informações sobre as bicicletas compartilhadas e estações, acesse https://brasilia.tembici.com.br/ ou baixe o aplicativo Tembici no celular.

 

Uso das bikes rosas cresce 60% no DF em cinco meses de funcionamento

The post Uso das bikes rosa cresce 60% no DF em cinco meses de funcionamento appeared first on Agência Brasília.



Fonte: Agência Brasília

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem